Conheça a erva: Espinheira Santa

Saiba como usar e os benefícios dessa erva incrível

A poderosa Maytenus ilicifolia M. ex R. ou Sombra de Touro (nome popular) é uma das plantas que exigem “prescrição” segundo as legislações vigentes em nosso País. E quem “prescreve” é profissional de saúde com especialização ou formação em medicinais. Isso quer dizer que nós naturopatas ou fitoterapeutas não possuímos autonomia para trabalhar com ela e, portanto, nem como alimento a Espinheira Santa deve ou deveria estar presente em um blend. Mas, porque isso Mei? A milagrosa Maytenus tem um nível de taninos e alcalóides em sua composição que afetará a absorção de ferro se tomada de forma incorreta. Portanto, só um profissional capacitado é capaz de dizer qual a dosagem, forma de preparo e tempo de utilização.

Espinheira Santa não é uma planta para usar sem pausa. Ela é recomendada em casos graves de esofagite erosiva, refluxo gastroesofágico, gastrite crônica ou aguda e outras condições que requerem análise de exames e preparo e recomendação de um protocolo de tratamento.

Uma outra razão dessa planta maravilhosa não ser usada em blends é porque ao ser misturada com outros constituintes consegue anular o efeito dos demais. Ou seja, você tomará uma mistureba que não sabemos o quanto de maleficio poderá trazer.

No efeito comitiva, uma planta que dialoga com a espinheira santa é a guaçatonga (Casearia Sylvestris) e ambas combinam muito quando o assunto é tratar qualquer uma das condições citadas acima acrescentado de uma Helicobacter pylori (H. Pylori). Isso se dá porque a guaçatonga também tem taninos e juntamente com a espinheira santa vai atuar nas ulcerações e fazer o papel melhor que as medicações alopáticas. Mas, isso é assunto para um próximo texto.

Uma curiosidade sobre a planta é que há muito tempo nos engenhos do Rio Grande do Sul, usava-se folha de maytenus moídas em baixa proporção para acrescentar ao famoso chimarrão para evitar azia, má digestão e cólica gástrica.

Além disso, pesquisas sobre o uso de pomada com extrato a 4% da Espinheira Santa mostraram recuperação de ulcerações cutâneas entre 3 à 7 dias de uso. Algumas indicações terapêuticas da planta, são: antiácida, ressaca alcoólica, ulcerações, protetor da mucosa gástrica, azia, tumores estomacais, entre outros.

Essa é uma das plantas de prescrição. Traremos sempre plantas de prescrição e plantas de uso livre com curiosidades, benefícios e outras informações. A Mei Mei não utiliza plantas de prescrição em seus blends, seguindo as leis vigentes e normas fitoterápicas. Para utilização dessa e outras plantas como recurso terapêutico, procure sempre um profissional habilitado.

https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/18939/1/EfeitoUsoTopico.pdf

Fonte: https://www.scielo.br/pdf/rbpm/v17n4s1/1516-0572-rbpm-17-4-s1-0722.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *